Iniciativa contabilizava cerca de 400 signatários na tarde de quarta-feira
Petição contra o novo projecto para a Praça
06-12-2018 | por Joana Gomes Costa
Foi lançada, na passada semana, uma petição pública contra o novo projecto para a Praça Luís Ribeiro. Considerando que o projecto apresentado pelo actual executivo «dificulta ainda mais o acesso ao centro urbano» e «retira lugares de estacionamento existentes (…) sem criar bolsas nem parques de estacionamento suficientes de proximidade», a petição, que contava na passada quarta-feira com cerca de 400 signatários, defende o anterior projecto, considerando que esse favorecia «a sustentabilidade do centro e comércio urbano, com o reforço da proximidade, competitividade, atratividade e acessibilidade».
Estatísticas

300 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar

A petição partiu da iniciativa de um “grupo de comerciantes da área abrangida”, como explicou a ‘O Regional’ Paulo Barreira, presidente da Associação Comercial de S. João da Madeira, procurando “envolver mais a cidade” e quem a frequenta.
Paulo Barreira garante que esta é uma “petição com assinaturas reais” de “quem se revê naquelas preocupações”, não estando definido um prazo para a sua entrega.
No início da tarde de quarta-feira teriam sido recolhidas cerca de 400 assinaturas, entre as recolhidas através da Internet e na versão em papel que circula pela cidade.
«Entendemos que este “novo projecto para a praça” dificulta ainda mais o acesso ao centro urbano, retira lugares de estacionamento existentes na rua do Dourado, na rua Oliveira Júnior, Rua Colégio Castilho, assim como, um número considerável de lugares na rua João de Deus, sem criar bolsas nem parques de estacionamento suficientes de proximidade. A arborização é excessiva e a falta de um equipamento lúdico infantil são também motivos de descontentamento», refere o texto base da petição, onde se pode ler também que alguns espaços comerciais ponderam mesmo «sair para outros locais» caso este projecto avance.
Ao nosso jornal, Paulo Barreira reitera que as “preocupações” dos comerciantes se prendem com o “acesso fácil”, “estacionamento de proximidade” e “algo de atractivo” como um parque infantil. “Preferíamos o anterior projecto, mesmo sem a circulação, porque entendemos que salvaguarda ferramentas que achamos cruciais para a atractividade da Praça Luís Ribeiro”, argumenta o presidente da Associação Comercial, lembrando que o anterior projecto previa a construção de três parques de estacionamento e a localização de um parque infantil na Praça.
A petição considera que o projecto apresentado pelo actual executivo «dificulta ainda mais o acesso ao centro urbano» e «retira lugares de estacionamento existentes (…) sem criar bolsas nem parques de estacionamento suficientes de proximidade» e, defendendo o anterior projecto, fundamenta que esse favorecia «a sustentabilidade do centro e comércio urbano, com o reforço da proximidade, competitividade, atratividade e acessibilidade».
Segundo Paulo Barreira, a segunda reunião entre comerciantes e o presidente da Câmara “não foi conclusiva”, tendo sido apresentada como única alteração a manutenção da circulação automóvel entre a Rua Visconde e Rua do Dourado.

Comentar

Anónimo