Miguel Pais-Vieira e Carla Pais-Vieira, da Universidade Católica Portuguesa
Investigadores sanjoanenses vencem prémio do Conselho de Prevenção da Corrupção
06-12-2018 | por Joana Gomes Costa
Os sanjoanenses Miguel Pais-Vieira e Carla Pais-Vieira, investigadores da Universidade Católica Portuguesa, no Centro de Investigação Interdisciplinar em Saúde do Instituto de Ciências da Saúde – Pólo do Porto, venceram o Prémio CPC Ciência 2018 do Conselho de Prevenção da Corrupção.
Estatísticas

174 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar

«Prevenção da corrupção e infrações conexas associadas à utilização das interfaces cérebro-máquina» é o título do estudo da autoria de Miguel e Carla Pais-Vieira, que receberam o Prémio CPC Ciência 2018 do Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC) esta quarta-feira, 5 de Dezembro, no âmbito da conferência «Integridade na Gestão Pública», organizada conjuntamente pelo Tribunal de Contas e pelo CPC e na qual se assinala igualmente os 10 anos deste organismo.
De acordo com informação divulgada pelo CPC, esta candidatura, aprovada por unanimidade, na reunião de 31 de Outubro, destacou-se «pela evidente qualidade, caráter inovador e pleno domínio da metodologia científica sendo-lhe reconhecido mérito, por abrir o aprofundamento do debate público na área das bioéticas».
O júri do Prémio CPC Ciência, criado por deliberação do CPC, de 4 de Maio de 2017, presidido por Rui Patrício, contou com a presença dos professores Eduardo Paz Ferreira, da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, e Carlos Pimenta, da Faculdade de Economia da Universidade do Porto.
Durante a reunião de apreciação das candidaturas, foi sublinhado o caráter pedagógico do prémio, assim como o facto de constituir mais um passo na intervenção do CPC junto das comunidades educativas, cuja ação cobre agora todos os níveis e graus de ensino, do primeiro ciclo ao ensino superior, materializando uma iniciativa marcante do Conselho na abertura à sociedade.
As 13 candidaturas registadas entre 1 de Janeiro e 30 de Junho de 2018 partiram de 11 universidades e institutos superiores, envolvendo um total de 23 académicos, contemplavam todos os graus de Ensino, desde licenciandos a licenciados, mestres, doutores e um candidato com pós-doutoramento. Do total de candidaturas recebidas no CPC, 12 foram consideradas elegíveis pelo júri, por satisfazerem os requisitos regulamentares, e uma foi excluída por ter sido apresentada fora de prazo.
O júri decidiu «tendo presente os critérios da qualidade, da originalidade e dos contributos para a área da prevenção da corrupção».
O Prémio Ciência foi entregue pelo presidente do CPC, Vítor Caldeira, esta quarta-feira, no dia 5 de dezembro, durante a Conferência «Integridade na Gestão Pública», que decorreu no Auditório da Fundação Champalimaud, contando com a presença, entre outros, do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

 

Maior prémio de Neurociências em Portugal
Equipa de Carla Pais-Vieira recebe Prémio Melo e Castro

No passado dia 28 de Novembro, a neuropsicóloga sanjoanense Carla Pais-Vieira viu também a sua equipa ser distinguida com o Prémio Melo e Castro para regeneração da medula espinhal com o projeto «Thertact-Exo: A brain controlled exoskeleton for spinal cord regeneration».
Este projeto visa o aperfeiçoamento de uma terapia utilizada no tratamento da paraplegia, tendo por base o controlo de um exosqueleto a partir da atividade cerebral. Os prémios Santa Casa da Misericórdia de Lisboa são os prémios de maior valor monetário em Portugal na área das neurociências.
Carla Pais-Vieira irá liderar a equipa da Universidade Católica Portuguesa, sendo que este consórcio envolve ainda a Universidade do Minho (líder de projeto), o Hospital de Braga, o Hospital de Guimarães e o Instituto Santos Dumond (Brasil).

Comentar

Anónimo